TIPOS DE MEMÓRIA: Estratégias para melhorar a memorização

TRANSTORNOS DE MEMÓRIA O trabalho prioritário do nosso cérebro é nos mantermos vivos. Qualquer ameaça ativa o sistema de memória. Algumas informações são acionadas na nossa memória sem que a gente perceba. Ex: dirigir um carro. Para a aprendizagem temos que usar a nossa memória de curto prazo e a nossa memória de longo prazo.

Neuropsicopedagogia

Neuropsicopedagogia


Na verdade temos vários tipos de memória.

A memória visual imediata permite a criança reconhecer imediatamente os estímulos apresentados. Quando ele é pobre, a criança não consegue reter as informações. Ela se torna necessária para a ortografia.

Quando a memória auditiva é deficitária as crianças não conseguem seguir instruções longas, onde as instruções devem ser dadas em partes. Estas crianças acabam tendo dificuldades para recordar certas palavras , usualmente dizem “essa coisa” no lugar da palavra.

A memória auditiva imediata para letras e números é uma destreza do hemisfério esquerdo e, memorizar ritmos, melodias, tom e inflexão de voz são destrezas do lado direito. Para memorizar as combinações de letras com os sons é uma destreza que exige ação de ambos os hemisférios.

Existe também a memória cinestésica ande a criança necessita tocar para aprender e poder reter a informação.

O processo de memorização passa por quatro fases:

Fixação ou registro das lembranças – apreensão perceptiva do fato onde a motivação, a atenção e a afetividade fazem toda a diferença.
Armazenamento – o que é percebido é comparado com outras informações e armazenado.
Evocação – se faz uso das lembranças de forma espontânea e voluntária quando se torna consciente com uma determinada finalidade.
Reconhecimento
– que é a identificação da lembrança evocada.
O nosso cérebro é inimigo da incoerência. O que não tem significado não fica armazenado.

A memória visual é básica para a aprendizagem da leitura e da escrita. Quando a memória visual imediata é deficitária, temos que buscar outras estratégias para compensar este déficit.

Quando a memória auditiva é deficitária, o aluno tem dificuldades em seguir as instruções.

Hipocampo

Hipocampo

TIPOS DE MEMÓRIA:

Memória de curto prazo (memória imediata ou memória de trabalho).
Memória de longo prazo que é dividida em:
Memória sensorial: (auditiva e visual);
Memória declarativa: (memória explícita que é o que a gente recorda);
Memória episódica: (memória biográfica que guarda dados do acontecido em um determinado espaço e tempo);
Memória semântica: (memória geral para fatos do mundo, regras e tabuadas);
Memória processual: ( memória para habilidades e hábitos).

PROCESSAMENTO DA INFORMAÇÃO:

Registro ou memória sensorial – a informação é captada pelos sentidos e são selecionadas com base na importância. Se não fosse assim, nós teríamos um curto circuito no nosso cérebro.
Memória de curto prazo – a informação que não foi descartada fica para ser usada na memória de trabalho. A memória imediata é acionada por cerca de 30 segundos para que possamos determinar a sua importância.
Depois que a memória de trabalho reuniu, separou e trabalhou as informações, ela vai ser armazenada em outro local.

ESTRATÉGIAS PARA AS DIFICULDADES DE MEMÓRIA:

A memória depende da retenção. Esta se refere ao processo pela qual a memória a longo prazo preserva uma aprendizagem de maneira que possa ser localizada, identificada e relembrada de forma precisa no futuro.

O grau de atenção do indivíduo, a duração desta, o tipo de prática que teve e a influência das atividades passadas vão influenciar diretamente na memória.

Para ajudar o aluno podemos usar técnicas de memorização, organizar a informação por categorias, memorizar listas, utilizar música e ritmo para ensinar a tabuada, usar sinais de trânsito para ensinar pontuação, ressaltar aspectos importantes em um texto ou exercício com cores diferentes, usar estratégias orais, auditivas e cinestésicas para introduzir um conteúdo, realizar repetição de exercícios, realizar conexões e associações a alguma palavra conhecida, reduzir a quantidade de informação apresentar as informações de várias maneiras.

ESTRATÉGIAS PARA AS DIFICULDADES DE MEMÓRIA VISUAL:

Apresentar objetos com figuras, concretos e manuseáveis.
Dar cartões com formas para copia.
Dar cartões com seqüência de letras e números para cópia.
Mostrar figuras, pedir que identifique e organize por categorias.
Jogos de esconder pessoas e objetos para relembrar o que foi retirado.
Jogos de encontrar semelhanças entre palavras, comparar palavras pequenas e grandes, associar palavras a desenhos, formar outras palavras usando letras da palavra anterior.
Devemos tomar cuidado pois, se a memória visual é pobre, todos os tipos de memória estão comprometidos.

ESTRATÉGIAS PARA AS DIFICULDADES DE MEMÓRIA AUDITIVA:

Atraia a atenção da criança chamando-a pelo nome;
Mantenha contato visual;
Encurte as frases e limite-se a elementos mais importantes;
Coloque ênfase nas palavras chaves;
Não dê muita informação de uma vez só;
Peça para ela uma curta repetição da instrução;
Ensine a criança a verbalizar o que ela vai fazer (primeiro, depois, por último);
Evite falar em um só tom e varie o tom, volume e ritmo da fala e ajude o aluno usando a instrução também pela via visual e cinestésica.

ESTRATÉGIAS PARA AS DIFICULDADES DE MEMÓRIA AUDITIVA:

Brincar de eco com três tons;
Repetição de seqüência com palmas e batidas;
Dar duas a três instruções para que a criança execute;
Brincar com frases aumentando o tamanho;
Brincar de restaurante servindo as sobremesas na ordem certa;
Memorizar poesias, canções e rimas;
Dizer uma série de palavras, ler uma história ou mostrar um desenho descrevendo-a em detalhes e, após, pedir para o aluno desenhar;
Brincar de mensageiro, telefone sem fio, lista de cores para a criança repetir, usar gráficos de palavras, brincar de meu tio foi viajar.
Estratégias para melhorar a atenção auditiva e visual:
Jogo do despertador (procurar o relógio), jogo da corrente com a letra inicial e final e telefone sem fio;
Colocar objetos e pedir que a criança descreva este. Ir aumentando o número de objetos, colocar e tirar objetos pedindo que a criança diga o que falta e o que foi colocado, dar letras móveis e pedir que escreva coisas que estão presentes na sala, trocar as crianças de posição e pedir que ela diga quem trocou de lugar;
Marcar as figura iguais a do modelo e procurar usar letra como: p,b,d,q,u,n,m,e,a,f,j,g e figuras geométricas com posições diferenciadas;

ATIVIDADES PARA ESTIMULAR A MEMÓRIA

Tente dizer a cor de cada palavra (não a que está escrita). Será que consegue? Esse exercício, conhecido como teste de Stroop, ajuda a tirar as teias de aranha do nosso cérebro.

 Teste de Stroop

Teste de Stroop


SETE PASSOS PARA TURBINAR A SUA MEMÓRIA

Exercício físico, alimentação e uma boa noite de sono: esses são alguns dos itens fundamentais para aumentar a sua capacidade de gravar informações.

Ler livros é uma das atividades que estimulam o cérebro e ajudam no armazenamento de informações.

Assim como os músculos do nosso corpo, que quanto mais a gente usa mais fortes ficam, o cérebro também precisa de exercícios frequentes para ficar em forma. Ler, aprender novas línguas, fazer palavras cruzadas e até tomar banho de olhos fechados ajuda (e muito) a melhorar o desempenho da nossa memória e a acabar com aqueles brancos que fazem a gente passar o maior mico ou perder um tempão. Ou seja, o segredo é tirar o nosso cérebro da zona de conforto e desafiá-lo a toda hora.

O QUE FAZER PARA FICAR COM A CABEÇA FUNCIONANDO A MIL

1. Saia do automático
O cérebro gosta de novidades! ‘Tente mudar o caminho, tomar banho de olhos fechados ou comer com os talheres em mãos trocadas”, ensina Antônio Carlos Perpétuo, presidente fundador do Supera, rede de academias de ginástica cerebral.

2. Pratique exercícios
Um estudo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) mostrou que a atividade física diminui a viscosidade do sangue, o que contribui para aumentar o fluxo sanguíneo cerebral, melhorando a capacidade de aprendizado e a memória.

3. Durma bem
Durante o sono, ocorre uma restauração do sistema nervoso central, que é quando os neurônios conseguem passar adequadamente informações entre eles. Descanse pelo menos oito horas.

4. Evite o estresse
Muitos dos lapsos de memória que temos – esses esquecimentos bobos, como “o que é que eu ia fazer mesmo?” – estão diretamente relacionados ao estresse e ao cansaço. A dica aqui é relaxar e tentar levar uma vida mais tranquila.

5. Mantenha o foco
Entre os jovens, o principal motivo das falhas de memória é a falta de atenção. Com essa mania de fazer tudo ao mesmo tempo, acabamos não nos concentrando e daí surgem os esquecimentos como ‘será que eu fechei a porta?’. A dica é prestar atenção ao que está fazendo!

6. Jogue, leia, faça palavras cruzadas…
“Atividades intelectuais diversificadas ajudam a memória a estabelecer estratégias mais eficientes de armazenamento e busca”, diz Paulo Bertolucci, neurologista da Escola Paulista de Medicina da Unifesp.

7. Coma bem
É importante uma dieta bem balanceada, que forneça os nutrientes nas quantidades adequadas e ajude o cérebro a funcionar melhor. Veja alguns alimentos que prometem turbinar a memória no quadro ao lado.

Fonte:
Atividades Para Educação Especial
MDMulher

SAIBA MAIS ⤵
Clique Aqui e Saiba Mais!